Terceira Margem
Arquitetura e Singularidades
IMG-20170731-WA0004.jpg

Vila Autódromo

Monumento horizontal, vivo e coletivo.
Vila Autódromo | Projeto Futuro da Memória - RJ

Projeto comunitário | urbano

Equipe Céu Aberto
Curadoria: João Paulo Quintela, Shana Prado dos Santos, Igor Vidor
Núcleo espacialização - Luisa Bogossian, André Daemon (Estúdio Guanabara), Iazana Guizzo, Natália Cidade (Terceira Margem)
Núcleo acervo: Gleyce Kelly Heitor
Núcleo produção artística: João Kammal, Guga Ferraz, Cris Ribas, Ivo Godoy, Lucas Sargentelli
Execução da obra: Olaci Corrêa e equipe

O Terceira Margem, em parceria com o Estúdio Guanabara, compôs o núcleo espacialização do Projeto Futuro da Memória | Rio de Janeiro do Instituto Goethe, desenvolvido pela equipe Céu Aberto. O projeto nasce de um processo de construção coletiva entre a equipe Céu Aberto e os moradores da comunidade Vila Autódromo, 20 famílias que resistiram historicamente a uma das remoções olímpicas. Mesmo possuindo o direito à terra, foram duramente violentados. No processo dos jogos em 2016, mais de 700 famílias foram removidas "apenas" para fazer um estacionamento ou deixar livre o entorno imediato do Parque Olímpico.

A demanda do projeto foi criada a partir do processo das oficinas do Terceira Margem. Após as oficinas de cocriação, onde buscamos trazer a potência do invisível e do poder indutivo da matéria, tornou-se clara a ausência das esquinas, espaços de encontros e escolhas no território atual dessa comunidade. A praça nasce da participação proposta ou do que intitulamos de a passagem do pedido para a demanda. De um pedido de monumento estático, placa ou marco visual de permanência da Vila Autódromo passamos para a construção de um espaço de uso vivo, que expresse a própria dinâmica de cuidado e a luta pública desse coletivo. Fez-se, então, um outro tipo de monumento, dessa vez vivo, coletivo e horizontal. Um projeto protagonizado por mulheres  tomou forma circular e a participação de múltiplas vozes, sem perder a perenidade, ou o enraizamento, da pedra, adotada enquanto material fundamental. A resistência assim se fez ao mesmo tempo firme e cuidadosa, modo tão raro e próprio da Vila Autódromo.

O projeto tem três objetivos: construir um arquivo vivo, discutir desde as artes sobre a memória e o território após a desapropriação, e construir um monumento que simbolize a luta e a resistência da comunidade.

Antes da elaboração do projeto, o Terceira Margem conduziu uma oficina de sensibilização coletiva.

Etapas da metodologia envolvidas: ESCUTAR, AMPLIAR, CRIAR, CONSTRUIR