Terceira Margem
Arquitetura e Singularidades
IMG_2566.JPG

Kayapós do Leste

Assessoria técnica em arquitetura para o Plano de Apoio à Autonomia dos Kayapós do Leste | Janeiro 2017

O coletivo Kikré é composto pelo Estúdio Guanabara, Oikos Arquitetura, Ohásis Arquitetura Sustentável, Terceira Margem, Matéria Brasil, Julia Sá Earp de Castro, Valentina Dávila Urrejola e Andréa Correa e presta assessoria técnica em arquitetura no contexto do Plano de Apoio à Autonomia dos Kaypós do Leste, gerido pela Associação Floresta Protegida.

A casa Kubengokré, em parte Kuben (homem branco) em parte Mebengokré (povo que veio do olho da água ou os Kaypós) foi desenhada na perspectiva de reduzir os danos do impacto da casa Kuben nas aldeias. Essa última é produzida com materiais industrializados, dentro de uma lógica mercantil e não se relaciona com as práticas cotidianas da cultura Mebengokré. Em contrapartida, a casa tradicional tem seus limites de durabilidade e não atende diretamente a dinâmica de transformação a partir do convívio direto com a cultura das cidades próximas.

Criamos, então, uma terceira opção. Inspirada na casa tradicional, a Kubengokré mantém a sua tipologia e preserva alguns cuidados como a não existência de janelas e a iluminação e ventilação natural pelo telhado. Além disso, acrescenta uma varanda (já em uso nas aldeias) e disponibiliza a sua construção com diferentes materiais, dentre eles alguns não tradicionais que visam manter a autonomia dos Kaypós, como é o caso do Bloco de Terra Comprimida, e outros igualmente não tradicionais mas industrializados e por isso dependentes da lógica mercantil.

 A assessoria técnica de arquitetura abre o leque de opções e vai em cada aldeia para que cada uma escolha a casa que deseja habitar.

Antes da elaboração do projeto, o Terceira Margem conduziu uma oficina de sensibilização coletiva.

Etapas da metodologia envolvidas: ESCUTAR, AMPLIAR, CRIAR,

Abaixo, vídeo com um recado dos Kayapós para todos nós!
Organizado pela Associação Floresta Protegida, durante a elaboração do Plano de Gestão Territorial e Ambiental da Terra indígena Las Casas, conduzido pelas comunidades Kayapó de Tekrejarotire e Kaprãnkrere