Terceira Margem
Arquitetura e Singularidades
oficina-ilê.gif

Oficina Caminho das águas

Oficinas | Caminho das águas

Etapa de construção de demandas para o projeto de reforma do Ilê Omiojouarô (Nova Iguaçu, Rio de Janeiro)

O projeto pretende conectar o terreiro com a cidade a partir de três ações principais: a produção de um templo desassociado da pobreza e capaz de expressar a força desta cultura; a criação de uma praça verde como um espaço de lazer ou de cidade qualificada; e a construção de um centro cultural para as crianças do bairro.

Estas ações possuem como eixos transversais práticas de sustentabilidade, cuidado, arte e educação. Apesar destes eixos serem recorrentes nas agendas dos projetos sociais dos dias de hoje, são inerentes à própria essência da cultura de matriz africana no Brasil. Os terreiros se relacionam de modo respeitável (e venerável) com a natureza, são espaços de saúde, de educação a partir de práticas conectadas com a vida, de ajuda mútua, de combate à pobreza e de convívio com o diferente. Os pilares da cultura afrodescendente estão alinhados tanto com a sua ancestralidade como com as pautas contemporâneas de sustentabilidade e direitos humanos porque seguiram, ao longo do tempo, sustentando valores que são os mesmos capazes de garantir um futuro digno para as próximas gerações.

Apostamos que este projeto pode vir a ser um marco de respeito e tolerância bem como uma  mudança de paradigma. Transformar o olhar da sociedade para esta cultura passa pela mudança na forma como seus signos são apresentados a ela.

Veja mais sobre o projeto Caminho das águas - Ilê Omiojuarô.